quinta-feira, setembro 15, 2011

Lendas e mitos sobre o Embuá (ou Ambuá)


Ontem à noite ouvi a Toph gritar e perguntei o que houve, a mãe disse "Ela tem medo de 'ambuá', e passou um aqui perto dela...". Achei demais engraçado e acabei lembrando de uma estória que o Sr. Cirilo Borges e Silva, também conhecido como meu pai, contou-me há muitos anos, nos tempos em que eu era apenas um infante, ela era mais ou menos assim:
Certa vez, Deus e Diabo entraram em uma contenda que, por decisão de ambos, seria decidida em uma prova de velocidade, ambos teriam que criar um animal para uma corrida. Os dias passavam e o Diabo estava decidido a vencer, passava horas a fio modelando e projetando o seu veloz corredor, enquanto Deus nem sequer ligava e/ou lembrava disso. O Diabo, pensando que duas patas seriam insuficientes para construir um hábil corredor, resolveu inovar e fez um animal com 50 pares de patas: o Ambuá!

(Parentesis)
Sempre chamei o pequeno artrópode de Ambuá, mas descobri há pouco (agora mesmo, em verdade) que a grafia correta é Embuá.
(Fim do parentesis)


Pois bem, o diabo consegui finalizar o Ambuá quase na hora da corrida. Dirigiu-se ao local marcado para a contenda e logo Deus chegou, de mãos abanando, sem nada. Foi quando o Diabo o questionou "Onde está o teu representante para a corrida?".

Deus, vendo que não poderia fugir ao compromisso, olhou pra um lado, olhou pro outro, pra baixo e nada, de repente viu um cipó pendurado em uma árvore, puxou-o, deu um nó na ponta, soprou e jogou no chão: era uma Cobra!

A disputa correu e, mesmo com todo a preparação do Diabo, o Ambuá não teve a mínima chance contra a Cobra, que venceu com ampla vantagem!

***

Deixando o imaginário um pouco de lado, os Embuás são animais pertencentes à classe dos diplópodes (ou milípedes), filo dos átropodes, são animais herbívoros e detritívoros, são ovíparos e reproduzem-se de forma sexuada, possuem respiração traqueal e um corpo cilíndrico divido em cabeça (com um par de antenas e um par de olhos), tórax (menor parte) e abdomen segmentado (parte maior), possuem um par de patas por segmento, que podem variar entre 20 e 100 (acho que esses maiores foram criados pelo Diabo mesmo!). Quando ameaçados, enrodilham-se fingindo-se de mortos ou repelem substâncias defensivas, como o cianeto de hidrogênio, mas são inofensivos a humanos.


A única lenda/mito paraense que conheço relacionada a tal criatura é a que lhes foi relatada anteriormente. Entretanto, segundo os relatos de David Figueiredo, em algumas áreas do Amapá, os embuás são considerados venenosos, "consumidores" de sangue humano e dizem, inclusive, causar gravidez em mulheres que estão no período menstrual.



Fontes
Diplópode - Wikipédia, a enciclopédia livre. Disponível através do link.
FIGUEIREDO, Davis. Os Embuás no Imaginário Popular. Recanto das Letras, disponível através do link.

Imagens
1 - "Cylinroiulus caeruleocinctus", foto de Darkone, retirada da Wikimedia Commons.
2 - "Embuá", foto de ®$ñå£ð¤, retirada do Panoramio.

5 comentários:

Anônimo disse...

Sonhei que era amiga de um embuá. :)

Anônimo disse...

Eu sonhei que comia um .. :/ ééééca ..

Anônimo disse...

Eu sonhei que comia um .. :/ ééééca ..

Margarida Maria de Lima disse...

Acabei de eliminar um dentro de meu quarto de dormir. Quero distância de bichos, de tais pragas

Margarida Maria de Lima disse...

Acabei de eliminar um dentro de meu quarto de dormir. Quero distância de bichos, de tais pragas